segunda-feira, setembro 18, 2006

O "caso" da miss Caxambu

O Lula Vieira tinha uma dessas historinhas curiosas, que só ele consegue contar. Era um poeminha ou coisa no gênero, mas que no final das contas resumia que o grande lugar para se comer um cu, era Caxambú.

E vivia o Lula a repetir esta historinha, por ironia, por gozação. Quando ele podia, ele atacava com o tal poema. E todo mundo se divertia com a brincadeira, que, afinal era realmente (desde que contada por ele) muito engraçada mesmo. Na ocasião, ainda na inesquecível VS Escala da Maria Eugênia, eu fazia dupla com o Marcos Vinícius Ferraz.

Uma manhã, este, sabendo que naquela semana era aniversário do Lula, combinou com a Patrícia Aguiar (RTVC da agência) pregar-lhe uma peça. A idéia era abrir o jornal, contratar uma daquelas putas de classificados, vesti-la de miss - Caxambú é claro - e enviar de presente para o Lula, na sua sala, no final da tarde. E, obviamente, no dia do seu aniversário.

Chegada a véspera do tão esperado dia, os dois realmente começaram a procurar a tal rameira nos classificados dos jornais. Mas o negócio é que algumas eram muito caras. Daí surgiu o aprimoramento da idéia. Quanto mais escrota, melhor. Era pegar uma bem escrachada. E foi o que aconteceu. Chegou uma dessas “breguérrimas”. Varizes e celulites pelo corpo todo, falhas nos dentes. Levaram-na para um local da agência, trocaram a roupa dela, ou melhor tiraram, já que ela não tinha maiô, deixando a dita cuja de calcinha e sutiã. Penduraram na vagabunda uma faixa idem, dessas de papel de bloco de layout com as inscrições Miss Caxambú, e colocaram em sua cabeça uma coroa de papel duplex. Para arrematar, nas mãos um tosco cetro de cartão Paraná.

Feito isto, se dirigiram para a sala do Lula.

Tchan-tchan-tchan-tchan!! Quando abriram a porta da sala com ‘miss’ Caxambu a tiracolo, o dito cujo estava com uma visita. Daí, pintou um clima. Foi um mal-estar geral. O Lula, ficou sem graça dum jeito que nunca se havia visto.

Foram momentos de suspense, um ambiente pesado. Até que, relaxando houve aquela risadaria geral. Toda a criação, o estúdio, e a esta altura quase a agência inteira empoleirada pelas escadas, tentando saber o que se passava na sala do Lula. Com puta e tudo, que, claro, não poderia ter deixado de dar um beijinho no aniversariante antes de se retirar, porque afinal, isto fazia parte do contrato.

3 comentários:

Anônimo disse...

Jonga, essa eu vi. Faltou contar que o Tião, do estúdio, esculpiu um cu de sabonete. Pintou e até colou uns cabelinhos. A miss levou esse presente na hora que entrou na sala do Lula.

Abrção,

Rodrigo

Rodrigo Rosman disse...

Faltou contar que a Miss adentrou a sala levando um presente que era um cu esculpido em sabão pelo bravo Tião, do estúdio. Ele esculpiu, maquiou e até colou uns cabelinhos...

jonga disse...

Putz, Rodrigão, essa realmente me falhou por completo. Aliás, nem me lembrava do detalhe. Obrigado pelo adendo.