sexta-feira, setembro 01, 2006

O "caso" da paquera

A Zurana era uma produtora de jingles que fez muito sucesso no Rio de Janeiro nos finais dos anos 70 e início dos 80.

Seu staff era composto de, nada mais nada menos que Ivan Lins, Paulo Sérgio Vale, Tavito, todos alinhavados pelo talento coordenador de Mariozinho Rocha, um senhor produtor musical.
Era muito comum a turma de criação da L&M encontra-los no fim da tarde, ou mesmo almoçar no Amarelinho, pois a Zurana era na Alcindo Guanabara, quase ao lado do famoso boteco do centro do Rio.

Costumávamos ficar ali por infindáveis momentos e papos, piadas e casos da vida. Sempre, depois do chopp algumas – às vezes muitas - doses de licor. Cointreau de preferência.
O Tavito, após um desses almoços, num dia inspirado por aquelas diversas doses de Cointreau, contou um caso que se passou com ele:

- Gente, eu estava na rua outro dia, parado num sinal, e uma mulher linda, mas muito linda mesmo, deu bola pra mim... – rodou a cabeça em torno, encarando a todos, e continuou – ...e era pra mim mesmo! Juro! Sabem por que? Acreditem, mas não havia mais ninguém naquela direção...

Um comentário:

Anônimo disse...

Conheci o Tavito. É isso mesmo, um sujeito talentosíssimo, um música de primeira linha, mas, no fundo no fundo um tímido.
Valeu... gostei do caso. E reflete uma época da publicidade em que tudo era mais leve.