segunda-feira, janeiro 08, 2007

Nota do autor

Cheguei ao fim dos “casos” que havia escrito para o livro que pretendia lançar, além de outros que escrevi ano passado, no embalo deste blog e mais alguns contados por amigos que aqui transcrevi. Bom, passaram dos cinqüenta, mas, que fazer? Acabaram. Se me ocorrerem mais, eu juro que escrevo e publico. De qualquer maneira, terei que dar uma pausa, após estes seis meses de convívio com estes três ou quatro leitores fiéis que possuo.

Tudo começou quando o BlueBus, antes de se transformar num dos melhores sites da propaganda brasileira, ainda era uma simples BBS, em 1995. Foi uma troca de correspondências interessante entre publicitários, que sempre resultava em algumas boas recordações.

Certa vez eu resolvi mandar um "caso". Lembrei-me do dia que o Favilla e eu, ainda nos tempos da Sinal - a agência que foi montada exclusivamente para atender o Banco Nacional -, fomos fazer uma filmagem na casa do Nelson Rodrigues e aconteceu um fato realmente impagável.

Escrevi e mandei para o BlueBus (caso também publicado neste blog, em agosto de 2006). No dia seguinte, meu arquivo de correspondências na BBS estava repleto de cartas do tipo “conta mais”. Resolvi continuar escrevendo. Uns que viví, outros que ouví, tendo sempre obtido um bom índice de audiência.

Quando o BlueBus acabou sua BBS, transformando-se em um site mais amplo, a coisa foi-se esvaindo. Não havia mais espaço para os “casos", que a esta altura tinham sido mais de vinte, num período de dois ou três meses. Mas, o fato é que eu continuei escrevendo outros, de 1996 a 2000, para completar a pauta e escrever os “casos” que eu ainda não havia terminado. Achei que seria o momento de reuni-los com a intenção de publicar um livro.

Convém lembrar que além dos que foram publicados no Bluebus, dois deles (o “caso” do Nelson Rodrigues e o “caso” do leão), também saíram numa edição de 1998 do jornal do Clube de Criação do Rio de Janeiro.

24 comentários:

Anônimo disse...

Que seja breve a pausa e que Don Oliva volta a nos brindar logo com causos ou com qualquer outra coisa que queira dizer. Porque pode ter certeza de que, independente do assunto, eu vou querer ler. Abraço, meu bom Oliva.

Jonga Olivieri disse...

Obrigado grande redatozim. Certamente um dos meus mais assíduos leitores.

Rodrigo Franco disse...

Jonga,

boa sorte com as novas empreitadas. Avise seus assíduos leitores sobre mais detalhes dos lançamentos. Eu mesmo tenho um projetinho criando limo na pasta "outros" (por enquanto está apenas on line, por falta de tempo), que de tempos em tempos me cutuca pra ser impresso. Quem sabe não me encorajo também.

abraços.

Jonga Olivieri disse...

Obrigado Rodrigo. E vai em frente com os seus projetos.

Anônimo disse...

Jonga, seus casos são deliciosos. Tão bons quanto um pastel de nata.Volte rápido para continuar a contá-los. Beijo e um ótimo 2007, Marise

Jonga Olivieri disse...

Que bom, Marise, saber que este blog pode ter poucos leitores, mas, pelo menos têm alguns internacionais, como você aí em Portugal.
Beijos e espero continuar lembrando e contando alguns casos a mais.

Gláucio disse...

5 comigo, eu leio todos faz tempo.

Gláucio - aquele que era diagramador na campanha do Vicentinho em São Bernardo.

Jonga Olivieri disse...

Obrigado, Gláucio.
Pelo menaos assim eu fico sabendo de outro leitor freqüente do meu blog.

Anônimo disse...

ô yonga! depois que vc emagreceu seu sangue baiano floresceu e vc ficou preguiçoso? Deixe disso, meu rei. Assim de chofre lembro de dois ou três causos ainda não publicados. Por quê parou, parou por quê?
=)

Jonga Olivieri disse...

Obrigado. Dá ma dica. Reative os meus neurôneos queimados para que eu possa contar esses "causos".

PC disse...

Ahh, eu mal volto das férias, corro para o computador para ver os próximos casos, e tenho uma notícia dessas?

Acho que você tem mais do que 5 leitores. :)

Jonga Olivieri disse...

Bom, caro PC, como eu disse na nota publicada, pretendo, num futuro breve escrever mais alguns.
Tem até um amigo me passando e-mails e lembrando: "conta esse, conta aquele".
Claro que, como havia um estoque de casos, não poderá ser como antes, mas irão saindo...

Alfredo disse...

Jonga,
Que pena. Alguns me causaram boas risadas. E definitivo que voce nao volta a escrever?

Jonga Olivieri disse...

Pode deixar, Alfredo,
Já estou pensando em outros casos.
Em breve...

JR disse...

Jonguito. volta a escrever seus causos, volta.

Jonga Olivieri disse...

JR, quem é você?
Será o JR da série Dallas?
Fique tranqüilo. Em bravve estarei publicando novos casos...

amigo oculto disse...

Isso. Li que você está pensando em novos casos
quando começa a publicar ?

Jonga Olivieri disse...

Amigo, hein!
Não tenho data ainda. Por enquanto estou reunindo dados e recompondo os neurônios perdidos. Mas, fique frio. Pretendo até o fim desse mês publicar o primeiro.

Amigo oculto disse...

Fico satisfeito com a resposta, e aguardo.

Jonga Olivieri disse...

É iso aí, amigo Oculto. Os novos casos já estão começando a ser contados, e, mais breve do que imagina, estarão no blog.

stella disse...

Oi Jonga,
Que bom vc retornar aos 'causos'. Isso vai virar um livro! Espero ansiosa pelo lançamento. Enquanto isso vou me divertindo on line mesmo. Grande beijo!

Jonga Olivieri disse...

Stella querida,
Isto era um livro. Até está devidamente registrado na Biblioteca Nacional há alguns anos.
Só que eu não tenho "saco" de procurar editores. Sei lá, não nasci pra isso.
Mas, um dia, quem sabe, sai...
Obrigado pela força.
Bjs,
Jonga

Stela Almeida disse...

Jonga,agora que conheço o início da série de casos, agora que me tornei uma leitora assídua, agora que passo todo dia por aqui querendo acompanhar o próximo caso, queria que vc. informasse quando vai publicar o livro, a fase mais intensa está construída, agora é mais fácil encontrar mecenas. Vamuquivamu amigo.

Jonga Olivieri disse...

Stela, obrigado pelas palavras.
Obrigado por ter escolhido uma postagem em que me encontrava numa dúvida e/ou encruzilhada "hamletiana" sobre continuar ou não continuar, eis a questão.
Quem sabe, um dia, eu me anime para a "via crucis", o bater de porta em porta.
Talvez seja um pouco de orgulho. E todo orgulho é besta.
Mas, mais uma vez obrigado por me fazer refletir, pensar, me estimular, acender em mim esta chama. Obrigado... do fundo do coração.