sábado, janeiro 19, 2008

Trem danado de bão

Sou mineiro por osmose. Casei com uma mineira há 35 anos, morei lá por duas vezes, num total de quase cinco anos. Isso fora as muitas idas e vindas a Belzonte para passar natais, aniversários e feriados, coisa que tem diminuído com o passar dos anos, mas foi muito intensa em determinada época.

Mas, deu-me vontade de falar de Minas porque outro dia recebi um comentário da Mariana Cajaíba, filha do Jacob, que foi meu diretor de criação na Salles, e, claro, era mineiro. Pra variar. Além disso, fiquei sabendo por ela que é afilhada do Jackson Drummond Zuim. Sim o famoso Zuim que tanto admiro como profissional; de tantas andanças pelos bares de Beagá nos tempos do Clube de Criação, cujas reuniões (de diretoria) eram regadas a muito chope gelado e golos de pinga (1).

A última vez que vi o Jacob Cajaíba, estava acompanhado do Zé Alberto da Fonseca, o Luís Márcio Vianna e o mitológico Newton Silva. Ele passou ao nosso lado, sentou na mesa e levamos um longo papo. Era um grande profissional, na época havia voltado para a Salles de São Paulo, e estava de férias em Belo Horizonte.

Tenho muitos amigos naquelas montanhas mágicas das Gerais. E o maior respeito pela publicidade que se faz por lá. Por isso mesmo, me orgulho de um cartaz que está bem à minha frente, e que foi impresso quando do lançamento do I Anuário do Clube de Minas, do qual tive a honra de ser jurado. Lá está a minha foto entremeada à de mais de 50 outros profissionais que também fizeram parte do júri.

Minas, tem sido a fonte de inspiração para muitos e muitos “casos” que lá vivi, ou que me foram contados ao longo de minhas estadas por aquelas paragens. Mas, quero mesmo agradecer à Mariana ter despertado essas lembranças dos bons momentos que ficaram em minha memória. E que são um trem danado de bão!

(1) Existem vários “casos” sobre o Zuim e o CCMG em postagens anteriores neste blog.

10 comentários:

jr disse...

Ê Minas Gerais!
Mas e´ uma terra boa mesmo.

Jonga Olivieri disse...

E tem bares maravilhosos...

Anônimo disse...

Gostei demais da conta. Aliás eu gosto muito dos casos mineiros. Tem cada um!
Otávio

Jonga Olivieri disse...

Os casos mineiros, não somente os que presenciei como aqueles que me contaram, são realmante muito bons.
Por isso essas recordações...

maria bonita disse...

Genial! Minas gerais é um lugar muito bacana. pelo menos eu tenho ótimas recordações de quando estive lá.

Jonga Olivieri disse...

Belo Horizonte em particular é um local aprazível em que o trânsito é melhor e as coisas ainda são mais fáceis.
Apesar de metrópole, a cidade ainda mantém um certo ar provinciano que me agrada.
Até porque mais interior do que aquele me dá uma fossa danada. Sou bicho de cidade grande. Gosto do agito que ela proporciona.

Redatozim disse...

Eu agora tô trabalho em Nova Lima, Oliva, é quase BH e é bão dimais.

Jonga Olivieri disse...

Caramba! Bão, hoje --acho que a estrada já foi duplicada-- a viagem deve ter ficado mais fácil.
Eu mesmo tenho um amigo que mora no Ouro Velho há mais de quinze anos. É um barato, até porque o clima lembra a Belzonte dos bons tempos.
Depois manda mais detalhes da mudança.

Redatozim disse...

Não é nada demais não, Oliva, é no Seis Pistas.

Jonga Olivieri disse...

Então é ali pertinho do BH Shopping. Nem sabia que já era Nova Lima...