quarta-feira, março 05, 2008

O “caso” da revisão no elevador

Um “caso” rapidinho que aconteceu na McCann há muitos anos. O Mauro Matos ia saindo para o almoço quando o tráfego o abordou na porta do elevador. Era a revisão de um anúncio da IBM, e como o revisor não estava, cabia ao diretor de criação faze-la. E o Mauro, como titular a fez, assinou, e no dia seguinte saiu um puta dum erro de revisão. E logo no título. A piada que corre até hoje é que ele torceu os olhos* no exato momento em que lia a chamada...

(*) Mauro tem alguns cacoetes. E o mais conhecido deles é o de contorção dos olhos. Tem um momento em que ao virá-los, eles ficam completamente brancos.

21 comentários:

Anônimo disse...

Olha, esse tal de mauro Mattos deve ser uam figura. Você já contou uns casos e ngraçados dele, mas este foi o melhor.
Otávio

Anônimo disse...

Conheia muito o Mauro de nome. Uma vez num coquetel desses da vida, deparei com a personalidade frente a frente. Eu estava com um amigo (também atendimento) que o conhecia e começamos a conversar.
Cara, levei um susto, porque lá pras tantas o sujeito ficou do jeito que você descreveu aí. E tem mais, a boca parecia que tinha emperrado. E o detalhe é que emitia um sonzinho meio abafado tipo RRRRRR. Um negócio de louco. Fiquei impressionado.
JR

Jonga Olivieri disse...

O Mauro é realmente o "rei dos cacoetes". Conheci poucas pessoas que tivessem tantos tique-tiques nervosos quanto ele.

Jonga Olivieri disse...

JR, você é realmente bastante observador.
Ele tem de fato este movimento na boca (além de ranger os dentes) e o RRRRR. Tudo ao mesmo tempo...

Anônimo disse...

Fico chocada! Como vocês são maus! Não conheço o Mauro, mas falar assim de seus tiques nervosos é uma maldade. Ele deve ter qualidades.
Maria Bonita

Jonga Olivieri disse...

Mary, o Mauro, apesar de seus cacoetes é um dos profissionais mais criativos que conheci em toda a minha vida.
Quando me refiro aos seus "tique-tiques" nervosos é porque ele os tem e o mercado inteiro sabe disto.
Claro que também é um assunto de gozação entre colegas. Mas é que a maioria das pessoas, por pruridos, não toca no assunto.

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Jonga Olivieri disse...

Mas por que você diz isso, FF?
E, quem é FF?
Nem sei como havia publicado aquele seu comentário, porque acho-o malicioso e baixo. Agora o excluí.
Gostaria de uma explicação melhor. E de uma identidade mais assumida ao manifestar uma opinião tão imparcial e radical.
Se quiser, mande o comentário. Não como anônimo, mas com nome completo, etc...
Contei um "caso" do mMuro que aponta seus conhecidos cacoetes, mas, juro, não há malícia nisto, pois ao longo das postagens neste blog tenho feito gozações até a comigo mesmo.

Jonga Olivieri disse...

Recebi mais alguns comentários ofensivos ao Mauro, que, continuo afirmando é uma pessoa que muito estimo, respeito e admiro.
Não vou colocar neste blog este tipo de mágoas pessoais ou coisas semelhantes. Quem tiver alguma coisa contra ele -- um dos mais competentes profissionais de nossa publicidade -- procure-o, e tenha a coragem e a dignidade de se expressar pessoalmente. E sem ocultar a sua identidade como anônimo assinando com iniciais que podem até se confundir com outras pessoas.
Se publiquei esta postagem foi porque acho o "caso" muito engraçado e curioso.
Mauro, como qualquer um de nós tem seus defeitos. Ainda bem que o dele são aos cacoetes.
Ao longo de anos de convívio com um dos ícones de nossa atividade sempre mantive uma relação de respeito e carinho. Que são recíprocos.

Anônimo disse...

Estou de acordo com você. Confesso que não gosto do Mauro Matos por razões pessoais, que acho o Silvio Matos uma das pessoas mais prepotentes que conheci (isso pelo menos o Mauro não é), mas que ele é um profissional de mão cheia, sem dúvida o é. E críticas que depreciem uma pessoa nãosão dignas de constar.
L.F.

Anônimo disse...

Gostei deste seu comentário. Também acho que coisas pessoais tem que ser resolvidas de outro jeito.
Maria Bonita

Jonga Olivieri disse...

LF, você tem todo o direito de não gostar de uma pessoa e de expressar este sentimento. Desde que respeitosamente. Como o fez.

Jonga Olivieri disse...

É isso aí, Mary...

redatozim disse...

Putz, Oliva, o cacoete virou motivo de revolta pró ou contra o próprio Mauro. Eita mundo esquisito esse da net.

Ah, belo post.

Jonga Olivieri disse...

Redatozim, isso são coisas do mercado do Rio! Deixa pra lá...

Anônimo disse...

Concordo plenamente com o Redatozim. Este post virou uma berlinda para o Mauro Matos.
Não o conheço pessoalmente, até porque porque não sou do mercado carioca, mas o seu nome aqui é conhecido e respeitado.
O do filho dele, Silvio Matos é mais ainda.

(a) Redator paulista

Jonga Olivieri disse...

Da mesma forma que respondi ao Redatozim, responde pra você, Redator paulista. São "coisinhas", futrivcas do mercado.
Conheço relativamente o Mauro Matos. Afinal, trabalhei com ele em duas agências diferentes, sendo a última a Contemporânea. O Mauro foi o melhor diretor de criação que eu tive. Posso garantir.
Agora, um sujeito que teve um poder de mando, que tem uma longa trajetória em posições de liderança, naturalemnte tem os seus desafetos.
No caso do Silvio Matos, também trabalhei com ele por um curto período de oito ou nove meses na VS. Não era antipático, mas também não era um sujeito extremamente comunicativo (talvez por timidez). Mas não tenho nada contra. Hoje é considerado um dos melhores do Brasil, está com sua própria agência. Quer dizer, saiu ao pai.
Houve muitos comentários "jocosos", até ofensivos a respeito dessa postagem. Muitos deles eu nem publiquei porque achei ofensivos.
Como havia dito: "são coisas do mercado".

Anônimo disse...

Gostei demais deste 'causo' rápido e engraçado.
Só não entendi a baixaria de alguns comentários sem o menor propósito falando mal do personagem principal.
Antônio José

Jonga Olivieri disse...

Como já havia respondido anteriormente: isso são coisas do mercado do Rio! Deixa pra lá...

Anônimo disse...

Pelo jeito o do mercado do Rio é uma verdadeira fofoca!
Ainda bem que eu não trabalho aí.
Antônio José

Jonga Olivieri disse...

Eu creio que fofoca existe em qualquer mercado, em qualquer lugar, em qualquer profissão.
Acho até que as postagens que foram publicadas não são tão "fofoqueiras" quanto possam estar parecendo ou interpretadas.
Claro que alguns falaram mal do Mauro, mas, todo lugar tem destas coisas. Volto a insistir.