segunda-feira, abril 07, 2008

O outro “caso” do cacoete

Postei, pouco tempo atrás um “caso” relativo a cacoetes, que, aliás, deu o que falar... Lembrei de um outro que me foi contado por alguém. Só que se passou em São Paulo, na Almap e com pessoas que eu nem sei os nomes. Mas, como acho um “caso” muito engraçado vou transcrevê-lo aqui, mesmo sem saber de sua autenticidade. Vale, nem que seja como piada.

A Almap foi uma das primeiras agências brasileiras a dividir-se em vários grupos. Nos anos 1970, a então maior agência do país, tendo em sua carteira muitas contas grandes, como a Volkswagen, por exemplo, precisou desdobrar-se em núcleos de criação, coisa que hoje é comum, mas naqueles tempos era raro por terras tupiniquins.

Num desses núcleos criativos, havia um diretor de criação cheio de cacoetes. Conta-se que um dia, ele abriu a porta da sala onde estava uma dupla. Muito alegre, ao entrar na sala olhou para o redator e perguntou:

– Sabe da novidade?

O redator olhou para o diretor de arte ao lado, e voltando-se para ele exclamou:

– Já sei... um novo cacoete!!!

Simplesmente foi despedido.

22 comentários:

jr disse...

Mas o cara entrou de sola. E logo com o D.C. do grupo. Ou será que ele não estava doido para se mandar? Mais parece.

Jonga Olivieri disse...

Bom, JR, você como puta velha deste meio sabe que isto seria perfeitamente possível. hehehe!

Anônimo disse...

Mas tem-se que reconhecer que o tal do redator perdeu o emprego. Mas não perdeu a piada, que devia ser boa pra dedéu, no contexto.
Otávio

Anônimo disse...

Este caso é real mesmo, podes crer. Até já me contaram. Iiiihhhh, põe tempo nisso. É um caso antigo (pra xuxú).
Cantídio Tarsitano

Jonga Olivieri disse...

Isso é que é presença de espírito...

Jonga Olivieri disse...

É Cantídio, me contaram lá por 1977 ou 78. Põe tempo nisso.

maria bonita disse...

Que maldade!

Jonga Olivieri disse...

Mary, pode ser maldade, mas que é engraçado, lá isso é.
Meu pai conta que tinha um colega no trabalho dele que era apelidado de "Leão da Metro". Simplesmente porque o cara de repente começava a movimentar a cabeça para um lado e para o outro, abrindo a boca.
Devia ser umum cacoete muito engraçado.
E, como este, têm muito outros por aí...

Anônimo disse...

Olha, um caso como este e um caso muito provavel de acontecer.

Neurose e publicidade sempre andaram de maos dadas. E neurose e cacoete tem tudo a ver.

Conheci muitos publicitarios cheios de trejeitos estranhos.

Anonymous
New York

Anônimo disse...

Falar em cacoete, tem um comercial excelente da Citroen. Começa com o cliente examinando um carro. Surge um vendedor que tem um cacoete de balançar a cabeça para frente e para trás.

“É uma série especial, com direção elétrica, ar-condicionado”, diz para o cliente que olha estranhamente para o cacoete. Mas o vendedor continua: “...trio elétrico, travas com comando à distância”. Empolgado com o carro, o cliente pergunta: “Mas por que se chama Musique?” Com a segurança de quem mostra algo surpreendente, o vendedor abre a porta e aponta o iPod no painel do carro, dizendo: “Dá uma olhada ali?”

Entusiasmado, o cliente aperta o play e escuta uma música. “Já vem com iPod!” A câmera fecha nos detalhes do som.

O cacoete do vendedor combina com o ritmo da música. O comprador não se contém e começa a balançar a cabeça para frente e para trás. Os dois dentro do carro percebem que estão balançando a cabeça juntos, no ritmo da música. O vendedor, ainda balançando a cabeça, pergunta: “Entendeu?"

Abelardo

Jonga Olivieri disse...

Engraçado, mas conheci poucos.
Tá bem, concordo também que os que conheci... sai da frente são cacoeteiros pra ninguém botar defeito. hehehe

Jonga Olivieri disse...

Lembro do comercial, a propósito bem lembrado.

Jonga Olivieri disse...

Anselmo (de quê mesmo?). Não me lembro de ter conhecido nenhum publicitário com este nome.
Recusei o seu comentário porque vc voltou a falar de outra pessoa e de outros cacoetes.
Se me mandar um comentário com uma identificação mais precisa, eu publico. Juro... pelos deuses do Olimpo.

Anônimo disse...

Isto é um absurdo!
Anselmo

walter siqueira disse...

É um causo muito interessante. Apesar de não ser publicitário, venho acompanhando suas histórias neste blog desde o ano passado. Têm algumss muito engraçadas.

Jonga Olivieri disse...

Bom, Walter, seja bem vindo ao grupo de 1/2 dúzia de comentaristas deste blogue.

redatozim disse...

Assim é que é bom, sem papas na língua. Se eu fosse homem faria isso também (ui).

Jonga Olivieri disse...

O pior sou eu, que durante anos, tive um diretor de criação cheio dos cacoetes (e o mesmo em mais de uma agência), e nunca fiz uma piadinha sequer.
vai ser "cagão" assim lá na... Bom, a gente tem que pagar o uísque das crianças no fim do mês, né?

leonardo disse...

Trabalhei na Alcantara Machado antes de ser Almap, porque só tomou este nome depois que o Alex se tornou sócio e acrecentou a letra PÊ final.
Mas, olha, sempre foi uma grande agência de publicidade, um senhor ambiene de trabalho.
Está certo que este caso sucedeu-se bem depois do meu tempo por lá. E as coisas mudam.
Mas, juro que fico estarrecido e até duvido que possa ter acontecido ali.
Deve ser piada.
Mandei um comentário antes para você com o meu e-mail e o pedido para não postar. Obrigado. A propósito, já recebi a sua resposta.
Assim podemos estar em contato.

Jonga Olivieri disse...

Como disse no caso, não posso saber se é real ou não o caso. O do primeiro cacoete eu garanto, até porque conheço o artista principal, mas neste caso... pode ser uma piada. Pode ter acontecido em outra agência, etc.
Bom, de qualquer maneira foi bom conhecer um "veterano" hoje aposentado da publicidade.
E vamos manter contato.

Anônimo disse...

Caramba, hoje descobri este seu blog. Estou dando uma geral nele e tenho visto que nos casos narrados há muito humor.
Parabéns. Pretendo lê-lo com mais atençaõ e depois faço mais alguns comentários.
Frederico Barbosa

Jonga Olivieri disse...

Velho Fred, seja bemvindo. Recebi o seu comentário com o seu e-mail. Já até passei um procê.
Grande abraço.
E faça seus 'coments' neste blogue. Apesar de não ser publicitário você vai ficar conhecendo um pouco mais dos loucos que habitam as agências de propaganda... hehehe