sexta-feira, outubro 10, 2008

Genial!!!

Nosso parceiro Felipe Monsanto (está conosco desde agosto de 2007) nos envia mais este “caso”:

Esse cara é bom (1), e me lembrou um que durou 45 dias numa ilustre multinacional.

Mas foi o suficiente para o cara chamar o juiz (paulista) de ladrão, fdp e ainda jurar de porrada no fim do jogo, quando o cara apitava um jogo de futebol entre os escritórios do Rio e SP.
Desistiu da parte da “porrada no fim do jogo” quando foi substituído e devidamente informado que o juiz era o diretor-financeiro. E como era uma festa bebeu meia-dúzia de cervejas e ainda ficou amigo do diretor-financeiro...

Por razões óbvias não vou citar o nome deste cidadão, mas ele tava quase arrumando um aumento de salário, afinal agora almoçava com o diretor-financeiro paulista quando vinha ao Rio.

Só que em plena quinta-feira resolveu sair no horário (8 da noite), mas ainda tinha trabalho.
Mandou o chefe tomar bem no centro do cu e foi embora. Era final de ano, 15 de dezembro.
Pegou duas pranchas e foi para Garopaba surfar. Ficou lá por um mês e quando voltou acabou virando dono de agência.
Não da multinacional, claro, mas de uma pequena agência que funciona há mais de 10 anos...

Tb juro que é verdade!

(1) Referindo-se ao personagem de “Doidim” de Maurilo Andréas.

6 comentários:

jr disse...

Um é doidim, o outro é doidão. Nossa Senhora!

redatozim disse...

Se eu fizer isso, volto pro apartamento vazio e vou escrever nota de pêsames no jornal. e olhe lá.

Jonga Olivieri disse...

E põe doidão nisso, JR!

Jonga Olivieri disse...

O pior é que é realmente capaz de ter acontecido assim.
Bom, pelo menos eu desconfio quem seja.
O Felipão ficou de me revelar a identidade do personagem no próximo encontro de ex-Veessianos (aqueles que trabalharam na VS), e aí eu vou saber se estou certo!

Anônimo disse...

Não é por nada não, mas esse é pior ainda.
Ernani

Lara Ley disse...

Doidinhos, doidos e doidões.
Lara Ley