sábado, outubro 04, 2008

A gente grava cada coisa

Comecei a participar de campanhas políticas em 1982. Lá vai tempo. De lá pra cá, fiz campanhas para todos os cargos, à exceção de Presidente da República. Ganhei e perdi. Ossos do ofício. Ao longo de todo este tempo fiz muitas dentro de agências em que trabalhava, não ganhando nada além do meu salário. Desde 2002 participei de todos os pleitos como frila.

Falei, outro dia mesmo, da campanha para vereadores no horário eleitoral, o melhor programa cômico da televisão brasileira. Mas, me ocorreu como também tem cada “josta” pra prefeito. E o pior não é isso. O pior mesmo é que quanto pior o jingle, mais a gente não esquece dele. Quem não ficava com aquela musiquinha chata de Roto-Rooter martelando? Ouvia-se pela manhã e não saia mais da cabeça o resto do dia. A mesma coisa com Insetisan. “Um pouco mais caro... mas é muito melhor!” Ai caramba...

A assinatura musical mais chata desta campanha para prefeito no Rio, sem dúvida foi a do Gabeira. E no entanto, eu ouvia aquele “troço” e a porcaria ficava batucando na minha cuca. Algo como algumas músicas pavorosas de duplas sertanejas. Mas, pelo menos me lembra o quanto eu não vou votar neste candidato, cujas ações notoriamente têm apenas o objetivo de promoção pessoal. Desde a sunguinha de crochê.

12 comentários:

Anônimo disse...

Nada pior do que uma musica ou um jingle chatos. E voce tem razao, fixam na cabeca, ficam martelando. Lembro de Perfume de Gardenia, um mambo ou sei la o que, que eu detestava. O fato e que quando eu ouvia ficava cantarolando sem parar.

Anonymous
New Yotk

Jonga Olivieri disse...

Esta música é tão chatinha quanto: "... o Rio de Gabeira... Gabeira... Gabeira...".
Feliz você que está longe e não ouviu esta bosta!

leonardo disse...

E o engraçado é que ele está no segundo turno. Que dizer disso?
Leonardo

Jonga Olivieri disse...

O quê que eu tenho a dizer? Apenas que eu já esperava esta possibilidade porque o "tipo" vinha crescendo assustadoramente.
E o pior: caso ganhe o 2º turno, vamos sair de um prefeito "debilóde factóide" para outro "bichóide factóide".

jr disse...

Jingle chato mesmo o do Gabeira.
Mas eu acho que ele acaba levando essa.

Jonga Olivieri disse...

Não vem ao caso. Não votei nele no primeiro e também não voto no segundo. Se ganhar, também... "phoda-se"!
Mas isto é uma questão pessoal.
O que me incomoda no Gabeira é que a sua ação prática não tem nada a ver com o seu discurso. Capito?
Todas as suas ações t~em o objetivo de marketing pessoal.
Além do mais, detesto moralistas. Geralmente eles são as mais amorais criaturas que conheci.

Cantídio Tarsitano disse...

O que me faz pensar que os jingles ruins são os que dão recall.
Cantídio Tarsitano

Jonga Olivieri disse...

Engraçado, Cantídio, mas um amigo meu e grande publicitário sempre dizia que propaganda que funciona é anúncio de varejo com a fotinha do produto.
O resto era prazer para nós publicitários na vaidade de ganhar um prêmio aqui, outro ali.
Isso porque comprovadamente o público vai à loja com o anúncio na mão e diz que quer aquele produto. Olha, chega ao ponto de quando há uma pequena diferença eles chiam, reclamam.
Comprovei isto quando atendi varejo há muitos anos coma conta da Mesbla. E olha que naquele tempo a maioria dos anúncios era com desenho de produtos.

Anônimo disse...

Você tem toda razaõ ao afirmar ser horrível a assinatura musical do Gabeira. Tanto que no final foi quase que deixada de lado, não sei se reparastes.
Elias

Jonga Olivieri disse...

Cê tem toda razão, Elias. Eles abandonaram a assinatura musical na última semana pelo menos.

adriana nolasco disse...

Pra mostrar o ridículo deste formato de campanha completamente obsoleto de que, no entanto, continua sendo usado sem medo de ser feliz deveríamos fazer um curta-metragem com imagens da campanha na TV. Imagine a edição dos "melhores momentos" com a edição sonora das promessas e trilhas horrorosas. Jonguinha, seu blog é demais, mega divertido, vivo, instigante. Obrigada por nos oferecer isso.

Jonga Olivieri disse...

É cada "saia justa" em que a gente entra, né Dri?
Mas, quantas vezes temso que peitar uma assim. Afinal, como diz um amigo meu: "Como é que fica o uísque das crianças?"