segunda-feira, março 02, 2009

Que computadores!

Em 1984, eu trabalhava na Provarejo, agência, ou melhor house agency da Mesbla. Fui escalado para criar, e consequentemente produzir o Relatório Anual da empresa. Na hora da produção, muitas das fotos seriam realizadas na sede, no Passeio. O prédio, cujo relógio era uma das marcas da cidade existe até hoje, e é atualmente propriedade das Lojas Americanas. Mas, olha, quem conheceu a “velha” Mesbla quase não reconhece o lugar quando se depara com o que lá está.

A principal unidade da rede ocupava vários andares e não os dois que hoje as Americanas utilizam. No último tinha até um bom cinema. E, melhor ainda, um “senhor” restaurante com um belo visual sobre a Baía de Guanabara. Algo indescritível, simplesmente sensacional. Nos andares intermediários havia escritórios. E toda a diretoria estava ali. Uma das fotos mais trabalhosas foi, aliás, a do Board of Directors. Conseguir reunir todos eles numa mesa de reunião no momento de um clique foi uma tarefa que mobilizou vários produtores, muitas agendas e fez me arrepender de ter pensado na idéia. Separados teriam sido bem mais fáceis.

Fora isto, foram tiradas fotos da fachada à noite, pois o relógio aceso era lindo, valorizava e compunha um leiaute de capa. E inúmeras da loja em atividade, de funcionários burocráticos trabalhando, etc, etc...

Mas eu havia pensado em fotografar a sala de computadores. Claro, ponto quente da alta tecnologia de ponta do grupo Mesbla. Ela ocupava quase meio andar. No dia que fomos, tive que levar um casaco, pois naquele tempo, computador era sinônimo de baixas temperaturas. E realmente. Tanto eu quanto o fotógrafo, chegamos cedo no local e nos pusemos a estudar ângulos e pensar nas melhores lentes a serem usadas embaixo de uma temperatura das mais congelantes.

Era tudo uma beleza. Aquelas máquinas todas, gigantescas, uma ao lado da outra com seus rolos, mais lembrando um cruzamento de geladeira com toca-fitas “Akai”, estes, uma coqueluche da época. Um cenário espetacular. A sala, também enorme, tinha mais de trinta daquelas peças. Um colosso! Fizemos as fotos e o relatório saiu. Ficou bonito, e, claro, foi para a pasta de trabalhos. Só tem um pequeno detalhe: a capacidade daqueles computadores todos, provavelmente não chegaria a um décimo desta maquininha em que eu escrevo este caso. É mole?