terça-feira, julho 21, 2009

O “caso” da pizza

Este é engraçado, rapidinho e nunca me saiu da cabeça desde que foi contado.

Um redator que trabalhou comigo em uma agência – nos anos 80 – contou que tinha um tio que morava sozinho em São Paulo.
Quase toda noite o tal do tio passava por uma pizzaria praticamente em frente ao prédio onde morava e tomava um chopinho saboreando uma Margherita a palito.

O proprietário do tal estabelecimento estava a lançar um delivery, coisa ainda pouco conhecida naquele tempo. Talvez algumas farmácias fizessem este tipo de serviço, mas fora essas necessidades emergenciais, a entrega em casa era muito pouco utilizada.

Numa noite daquelas, o tio estava lá “drincando” com seu tira-gosto de pizza, quando o italianão virou-se para ele e disparou naquele português “macarrone”:
– Bambino, porque non encomêndare una pizza a la tua cassa? Nui entregamo la mercadoria quentínia!
O tio, sem entender a razão daquilo, já que morava tão perto, respondeu:
– Mas eu moro aqui em frente... Não há necessidade disso!
A questão era que para agravar a situação, ainda por cima ele não tinha telefone em casa.

Resumo da ópera: o sujeito encheu tanto o saco, que um belo dia ele começou a descer, ir até o orelhão mais próximo, fazer a encomenda e voltar correndo pra casa. Afinal, corria o risco que o entregador chegasse antes dele.

12 comentários:

anita disse...

O caso é engraçado demais. Mas eu não consigo imaginar um mundo sem delivery.
Minha geração 'já nasceu' com isso.

redatozim disse...

hahaha tá de sacanagem... isso é que é vontade de agradar.

Jonga Olivieri disse...

O sujeito devia ser muito tímido!
Sai da reta, sô!

Jonga Olivieri disse...

Ô Anita, desculpe mas o comentário do Redatozim entrou antes do seu e acabei respondendo antes do seu.
Mas, tem toda razão. Sua geração já nasceu com o delivery devidamente oficializado...

Anônimo disse...

Não é possível existir alguém assim. Como você se referiu, deve ser muito tímido para chegar a este ponto.
Cantidio Tarcitano

Jonga Olivieri disse...

Dá pra entender?

Anônimo disse...

Chegar no trabalho cedo e ler um caso desses e hilario.
Acredito que todos vao continuar estupefatos com a bobeira do tio do seu amigo redator.
Sera que ele nao tentou explicar que ele queria egostava de ir na pizzaria?
Dava ate uma puxada de saco no italiano, dizendo que a companhia dele era fundaamnetal

Anonymous
New York

Jonga Olivieri disse...

Ainda tem isto. Poderia dar uma desculpa e agradar o cara!

Anônimo disse...

Essas pizzerias de Sampa são boas demais. Conheci cada uma de você sentir o cheirinho no meio da rua a mais de um quarteirão.
Ernani

Jonga Olivieri disse...

Tem razão, Ernani, é difícil saber qual delas a melhor.

Leonardo disse...

Homessa! Tem doido pra tudo!!!

Jonga Olivieri disse...

E como!