segunda-feira, setembro 14, 2009

O “caso” da bruxa (Republicação)

Continuando a postar “casos” mais antigos, segue este que considero memorável. E é uma homenagem que faço a um dos maiores criativos e empresários de publicidade que conheci. Além de excelente pianista.

Quem me contou esta foi o saudoso Daniel de Freitas, um dos sócios da DNA, durante um jantar em Belo Horizonte, na última vez em que trabalhei naquela cidade entre abril de 1999 e setembro de 2000.

Estava ele uma noite, num bar, quando notou que seus charutos haviam acabado. Daniel que não passava sem um bom cubano, pegou o telefone, e ligou para a agência, que não estava muito longe. Atendeu o vigia. O Daniel pediu a ele que procurasse uma caixa de charutos que estava na gaveta de sua mesa, pegasse uns três ou quatro, e levasse para ele.

Continuou no papo, no uísque, e o tempo foi passando.

Após uma longa e “paciente” espera, voltou a ligar pro cara. Ele atendeu e o Daniel perguntou por que não havia chegado até aquele momento.

“Ih, Seu Daniel! Eu achei os seus charutos... eu peguei os seus charutos... eu desci com os seus charutos... mas acontece, que quando eu cheguei na rua... vinham duas bruxas andando na minha direção, e... eu... bom... eu voltei pra agência... e tô com medo até agora...” disse o zelador com a voz trêmula.

Era noite de Halloween.

16 comentários:

André Setaro disse...

Faço minhas as palavras de Almirante, que tinha um programa de rádio com este nome:
INCRÍVEL, FANTÁSTICO E EXTRAORDINÁRIO!

Maria Celia Olivieri disse...

Ah!!!! mas eu acredito em bruxas sim!!!! claro que existem, rsrsrsrsrs

bjsssssssssssssssssssssss

Cecé

Jonga Olivieri disse...

Lembro deste programa.
Quando criança, nos tempos d'O Anjo e Jerônimo o herói do serão era de arrepiar.

Anita disse...

I-NA-CRE-DI-TÁ-VEL!
O que não quer dizer que duvide, mas é muita ignorância achar que existem bruxas como em contos de fadas, KKKKKKKKKKKKKKK!

Jonga Olivieri disse...

Desculpe André, mas o personagem não era o "herói do SERÃO", mas "... do SERTÃO" e ewra uma rádio-novela de aventuras que fez muito sucesso nos fins do 1960 e início do 60 e depois virou uma revista em quadrinhos desenhado por Edmundo Rodrigues.

Jonga Olivieri disse...

Anita, já pensou este cara casado com a recepcionista da Nova Proudon? A tal da Praça Pio Xis!
Mas olha, tem muita gente que acredita em "Mula-sem-cabeça"...

Jonga Olivieri disse...

Que las hay las hay... Por exemplo, só agora chegou este seu comentário, Cecé!

Anônimo disse...

Só faltavam estar voando em suas vassourinhas. Ha! Ha! Ha!
Cantídio

Anônimo disse...

Sócio da DNA? Isso não lhe parece suspeito?

Jonga Olivieri disse...

O Daniel faleceu em 2002.
Isto de que acusam a DNA, mas que todos fazem (caixa 2 e tráfico de influências no governo) estourou três anos depois.
Não quero dizer com isso que ele não tenha tido nada a ver com aquilo tudo. Mas também alguém pode garantir que tivesse?

redatozim disse...

Não conheci o Daniel pessoalmente, ms cassos assim dele existem muitos. O cara parecia mesmo ser uma ótima praça.

Jonga Olivieri disse...

E era. Nesta última fase em que estive com ele ia muito almoçar ali perto da DNA a convite dele e batiamos longos papos.
Agora, imagina eu voltar pro trabalho e dar de cara com o "Semrabudusinfernu"?
Era um choque!

Anônimo disse...

Muito engracado isto tudo.
Ainda mais para quem mora aqui nos USA em que este dia e comemorado com intensidade.
Um cara com ele nem mesmo sairia de casa.

Anonymous
New York

Jonga Olivieri disse...

Aqui no Brasil, o costume de comemorar o "dia das bruxas" foi importado e não faz parte de nossas festas populares.
Hoje é comemorado por camadas mais privilegiadas, porém o povão ainda não assimilou, daí o espanto do vigia...

Anônimo disse...

Pelo pouco que conheço do Daniel, e apesar de não botara a mão no fogo de ninguém, acho difícil o Daniel estar metido naquela.

Jonga Olivieri disse...

É o tal caso, botar a mão no fogo por alguém... Bom, o Daniel sempre me pareceu um sujeito sério. Mas é o tal caso: o Chico Castilho se envolveu na confusão por ser sócio da mesma DNA.
Sabe de uma coisa? É difícil algum dono de agência que nunca tenha se envolvido em algum lance não muito bem contado. Seja com o governo ou mesmo com coantas privadas.
Isto faz parte do capitalismo, do lucro, etc, etc...
O problema é pegarem. Ou seja, a maioria faz, fica caladinho, as coisas passam e morre "pelaí".