quinta-feira, julho 15, 2010

A vulgarização dos softwares

Curioso, mas quando comecei a trabalhar com o Photoshop, em 1993, ninguem sabia o quê que era isso. Sério! O programa até já estava sendo utilizado para certos retoques hoje muito popularizados nas imagens de mulheres despidas em revistas masculinas, e, apesar de ter recursos a menos do que hoje, era um instrumento profissional de qualidade para esta finalidade.
E nós, em publicidade, começávamos a ganhar tempo com possibilidades de um trabalho mais ágil... Pois, até então, dependíamos de um longo processo que começava com a marcação de um rough, depois, passar para um ilustrador marcar o layout e por aí afora. E os prazos, mesmo assim eram mínimos. Daí as viradas madrugada adentro, que podem até existir hoje, mas são bem menos frequentes, desde que haja um mínimo de organização na agência.

Já falei bastante neste blogue sobre essas diferenças entre o trabalho em publicidade daqueles tempos heróicos do guache e da cola de sapateiro, mas o que quero tratar hoje é outro assunto. A imagem acima foi um print screen que fiz na página principal do UOL. E teem sido comuns as chamadas para coisinhas do tipo “aprenda a fazer isto ou aquilo no Photoshop”. Hoje mesmo tem uma lá para que o público saiba como fazer sombras no referido programa.

Eu juro que a primeira vez que me assustei, estava andando na rua e um sujeito de gravata, tipo um advogado ou outro profissional liberal da vida, a conversar com um amigo ao lado falou a palavra Photoshop, referindo-se a que ia usar para fazer alguma coisa nele. Juro que levei um susto, pois era a primeira vez que ouvia referência àquele software fora das paredes de uma agência, e, principalmente enunciada por uma pessoa que não tinha nada a ver com propaganda.
Mas isto foi apenas o início... Daí em diante, foi num crescendo cada vez maior a quantidade de gente que se interessava pelo programa, fazia perguntas quando sabia que a gente dominava o dito cujo, etc. Depois vieram aqueles que já o usavam e trocavam ideias, e, finalmente chegamos ao ponto em que o Photoshop deixou de ter aquela exclusividade e foi parar em chamadas para filmetes com aulinhas nas Home Pages de portais da internet.

12 comentários:

Anita disse...

Olha Jonga eu acho q ue nem todo mundo manuseia tão bem assim o Photoshop. Até mesmo dentro das agências.
O público em geral fica naquela de querer aprender mas não rola... aí é que está!

Jonga Olivieri disse...

Creio que você deve ter razão, Anita, mas eu me prendo ao fato de que quando comecei a lidar com o software, ele era tão desconhecido que você falava com as pessoas e em 50, talvez uma declarasse que o conhecia.
Mas pode ser um ponto de vista reacionário de minha parte esta constatação.
Afinal, a informática e a digitalização apressaram o processo de conhecimento (ou vontade de conhecer) do Photoshpo.
Sinal dos tempos!

Popeye disse...

O advento da informática, não só na publicidade como em qualquer setor de atividades profissionais provocou uma revolução que se inicia no melhor aproveitamento do tempo acelerando a execução de qualquer trabalho e termina no desemprego de milhares de profissionais pela máquina.
Parece ficção científica, mas é verdade científica mesmo.
O Photoshop é um deles. Antes do seu surgimento desenhistas e retocadores tinham que tirar ruguinhas de 'beldades' do cinema, da TV e da sociedade nas revistas. Estes profissionais às dúzias sambaram para um que fica na frente de uma tela de computador operando um mouse.
A popularização deste programa, ou software, como queira deve-se a propaganda feita pelos milagres que proporciona. As pessoas querem experimetar nelas mesmas os seus efeitos e conseqüências na aparência final.
Mas o problema é que nem sempre conseguem dominar suas ferramentas e nem realizar o que desejam. Por isto surgem essas dicas que na verdade não surtem efeito a não ser que a pessoa domine alguma coisa do tal programinha.

Jonga Olivieri disse...

Bela análise amigo. Disse tudo e mais alguma coisa!

Cantídio disse...

Concordo com os comentários que comprovam que o Photoshop pode até ter se popularizado mas poucos sabem de fato utilizar.
Ainda é um programa profissional restrito àqueles que sabem utiliza-lo para fins de trrabalho.

Jonga Olivieri disse...

É acho que deve ser isso mesmo!

Anônimo disse...

Nao e assim mesmo. As pessoas ouvem falar de Photoshop, querem saber operar o Photoshop, mas nao conseguem mesmo! E isto nao e so no Brasil. E no mundo inteiro.

Anonymous
New York

maria disse...

Interessante. Eu mesma morro de vontade de fazer alguma coisa, mas como não entendo nada fico só na vontade!

Jonga Olivieri disse...

Você tem razão, amigo.

Jonga Olivieri disse...

Mary, a sua opinião vem apenas corroborar as dos demais! Maravilha!

redatozim disse...

Será que o photoshop de hoje é o corel draw de amanhã?

Jonga Olivieri disse...

E dizer que estou aqui em Sampa usando Corel numa campanha política.
Até lembrei de S. Bernardo... Mas a coisa continua igual. hehehe!