quarta-feira, abril 27, 2011

“Casos” que o Pedrosa contou – 2

O “caso” do nome errado

Uma ocasião escrevi para o Pedrosa acerca de um comentário (meio tolo) que lhe fizera um dia, quando estava fazendo um frila na Contemporânea, sobre o fato de que, ao invés de Carlos, seu nome ficaria mais “rimante” se fosse Pedro. E ele me respondeu o seguinte:

“Caro Jonga: então, a propósito, existe um bando de dinossauros que ainda me chama de Pedro até hoje. Pelo seguinte: houve uma prisca era em que eu tinha secretária e costumava fazer memos internos à mão, com caneta ou lápis. A secretária então datilografava e ia distruibuindo para os copiados.

Pois aconteceu de entrar uma nova secretária, coitada, que logicamente não estava habituada com a minha letra. Bateu o primeiro memorando direitinho, localizou todos os destinatários, menos o último.

Saiu então ligando para cada um dos departamentos, que eram muitos, e ninguém conseguia ajudá-la a achar aquele desconhecido funcionário, que era, claro, um certo Pedro Sá, que foi como a pobre moça entendeu os garranchos com que eu escrevera meu próprio último nome.

E assim, durante muitos e muitos anos após, eu fiquei sendo Pedro Sá, e depois, simplesmente Pedro.”

12 comentários:

Anônimo disse...

Como outros anteriores e otimo este caso do Pedro Sa. Aguardo outros impagaveis dele para alegrar as minhas manhas ainda meio frias por aqui.

Anonymous
New York

Jonga Olivieri disse...

E tomara que as esquente, não é, amigo oculto?

Anônimo disse...

Esse Pedro Sá é um bom humorista, não é não?
AT

Jonga Olivieri disse...

Se é, amigo Antônio!

Anita disse...

Mais um caso, pôxa, como você tem postado ultimamente. Há muito não via este pique.
Os do Pedrosa, mesmo quando "contados por você" são ótimos...

Jonga Olivieri disse...

O Pedrosa conta com tantos detalhes que ele mesmo acaba sendo o autor do que escrevo.
Mas ele disse mais ou menos isto no e-mail que me mandou.
Veja (e leia):
"Caro Jonga: o caso está bem contado e com o carinho de sempre. Pelos dois motivos, fico grato. Vou acabar virando o seu Picwick, personagem de um dos tres livros de minha maior preferência, e você o meu Charles Dickens."

Jonga Olivieri disse...

Deve estar havendo algum problema com o (ou será 'a'?) Blogger quanto ao envio de comentários, pois outra pessoa me mandou um e-mail (nem todos o teem) com o seguinte comentário:

"Gostei do caso do Pedro Sá. A secretária, na dúvida (de certo fez cerimônia de perguntar), escolheu o nome mais plausível. Bastante razoável e a turma aproveitou... É mesmo um outro mundo, pitoresco como já disse, instigante e rico. Ana"

Jonga Olivieri disse...

Bom, de mim para mim mesmo continua a funcionar. Mas, por via das dúvudas, mandem comentários como forma de testar a mídia...

Quanto ao comentário, suponho que o último nome era o dele porque era comum passar todos os nomes e no final o próprio para arquivar.
Os 'macanianos' inclusive costumavam colocar 'file' ápós o seu nome para arquivar. Ainda bem que o Pedrosa não usou pois era capaz de virar "Pedro Sá Filho"...
Já pensaram!?

Cantídio disse...

Como os outros também bom este caso do Pedrosa.

Jonga Olivieri disse...

O "cara" é o "cara"...

Anônimo disse...

Do "Kaso" anterior muito gostei, mas deste do nome, recontado por você mas contado em origem pelo Pedrosa só tenho elogios a tecer!
José Carlos

Jonga Olivieri disse...

Este José Carlos "Anônimo" de Orleans e Bragança, pomposo e formal não me é estranho!
No entanto, não vou arriscar algum palpite.