sexta-feira, abril 22, 2011

Um pic-nic a não esquecer

Na foto, eu entre a dupla homenageada Fernando e Denise.  E também Stela, Cristina e Virgínia
"VS Forever” tem sido um encontro da galera da VS ao longo de vários anos desde que saímos daquela agência, e se compõe de diversos grupos que trabalharam na VS em quatro endereços e épocas diferentes.

É verdade que os mais assíduos são justamente os que trabalharam na Maria Eugênia, o primeiro local em que aquela agência existiu.

No último, ideia do Marcos Ferraz – meu dupla naquele período– resolvemos fazer um programa diferente, e ao invés daqueles tradicionais encontros em bares, aconteceu um pic-nic no Parque Lage. Que foi um bom programa de domingo, ao qual compareceram em torno de 20 pessoas.

Espero que os próximos sejam tão bons quanto este. Pelo menos ideias novas estão sendo pensadas.

22 comentários:

Anita disse...

Vou dar esta ideia para um grupo de amigas que se encontram todos os anos. Pelo menos podemos levar nossos filhos.
Um barato.

Jonga Olivieri disse...

Seria uma boa. Neste havia gente com crianças e foi mesmo muito gostoso.
Tem os inconvenientes das bolas quicando em cima das garrafas de vinho, mas não hove maiores acidentes. Ou pelo menos não perdemos o "golo" por causa disso!

Anônimo disse...

Uma boa ideia (ainda bem que nao tem mais acento) para reunir as pessoas longe dos bares que sao bons para grupos menores em que todos estao mais proximos.
Tai, vou "chupar" este negocio.

Anonymous
New York

Jonga Olivieri disse...

Você pode fazer no 'Central Park', não é, meu caro 'Anonymous'? Fica mais pertinho... hehehe!

Cantídio disse...

Brilhante idéia do Marcos Ferraz. É bem mais agregador estarem todos circulando e mais à vontade do que num bar onde fica-se prisioneiro da cadeira e daqule copo à frente.

Jonga Olivieri disse...

Definiu muito bem Cantídio.
O encontro em bar é melhor para um 'petit comité'... Cheguei a esta conclusão...
A ideia do Marquinhos foi mesmo excelente!

Anônimo disse...

A não esquecer. O que é isso? Que forma estraanha de falar.
Deoclécio Pimenta

Jonga Olivieri disse...

Esta forma "estraanha" de falar é uma maneira lusa de se dizer "inesquecível".
Assim como "a não perder" (imperdível) e outras que eles falam sempre e eu acho bastante interessantes. Daí surgiu o título deste jeito.
Mas... Não entender é meio demais, Deoclécio!

Jonga Olivieri disse...

Por que? Simplesmente porque a gente não fala assim! Ora bolas!

Jonga Olivieri disse...

Xá pra lá!

Anônimo disse...

Deve ter sido muito bom mesmo... Encontrar queridos amigos num lugar tão lindo, regado de energia boa!

Márcia Altoé

Jonga Olivieri disse...

Só foi Marcinha. Nós não queremos mais fazer esses encontros em bares.
Fica aquele mesão em que pra falar com a outra ponta ou se usa um megafone ou o 'laptop'...
hehehe!

Anônimo disse...

Muto boa idéia!
Ernani

Jonga Olivieri disse...

Mas o melhor é que já se estão imaginando mais... E todas diferentes!

Ana disse...

E por que a "dupla homenageada". Houve alguma razão especial para isto?

Jonga Olivieri disse...

Houve sim.
A Denise mora em Israel (desde 1990) e o Fernando em Londres (desde 1989).
Ambos veem em média uma vez por ano ao Brasil, mas nunca calharam de estar juntos.
Daí aproveitamos o ensejo...

Anônimo disse...

Idéias diferentes? Se puder falar alguma, dá uma dica, estou à cata disso justamente por estar organizando um encontro assim e ser-me-ia muito útil.
Ernani

Jonga Olivieri disse...

Um passeio pela Baía de Guanabara num barco...
Mas posso garantir que o pic-nic no Parque Lage é muiyo bom. Desde que se leve repelente. Ainda bem que mós nos lembramos.

Myrthes disse...

Olha, vocês fizeram oq ue todos deviam fazer. Como organizaram? Ratearem os custos?
De qualquer maneira deve ter ficado muito mais barato do que o preço nos bares.
E deve ter sido bastante divertid, não foi?

Jonga Olivieri disse...

OLha Mythes. As mulheres combinaram entre si o que levariam de tira gosotos (salgadinhos). E os homens levaram bebidas; sejam alcólicas ou refrigerantes
Nós da organização, levamos copos, pratos e talheres de plástico.
Deu tudo certo e ficou muito mais barato do que qualquer bar da vida, com dirteito a sobrinhas miúdas.

Anônimo disse...

Oi Jonga
Gostei muito. São casos pitorescos!
Bjs.
Ana

Jonga Olivieri disse...

Ana, prima querida, este mundo da publicidade tem destas coisas. Ou melhor... Teve destas coisas, porque hoje são cada vez mais raras!