quinta-feira, julho 11, 2013

O "caso" do 'xará'

Ilustrações de Nilton Ramalho
Nilton Ramalho é uma figura sempre bem humorada e divertida. Quando estou com ele, solto boas risadas das suas narrativas e das situações que ele vive. Tem a veia do contador de piadas, reais ou imaginárias. E isto é um dom. O saudoso Flávio Colin também era assim, capaz de contar uma historinha qualquer que quem escutava, se esbaldava de tanto rir. Quando eu as conto, juro, nunca tem a mesma graça.
 

E o Ramalho sempre tem um comportamento engraçado na própria forma com que se comporta. Eu me lembro de quando ia na L&M para entregar os seus trabalhos de ilustração(1), e, chegando na porta adentrava o corredor gritando: “Alôôô Putaaadaaaa!” Era um senhor rebú. Mas, ao mesmo tempo uma alegria geral, porque à sua chegada, quem estivesse triste podia esquecer aquela situação. O Nilton punha-se logo a conversar com todos, a abraçar, a rir. As pessoas que estavam em outras salas, saíam apressadamente para estar com ele, saudosos dos tempos em que ele trabalhou ali, com elas. E em poucos instantes a agência virava um tumulto. No melhor sentido.
 

Mas o Nilton conta um caso que eu acho simplesmente do cacete. Havia um mendigo sempre parado na porta do prédio em que tinha o seu estúdio. Todo dia, o Nilton (com o seu grande coração) levava um pão ou qualquer coisinha para abrandar a fome do coitado. O mendigo agradecia e o ele respondia: “Tudo bem, “xará”, é um presentinho pra você...”

E isto foi acontecendo com o passar do tempo, virando quase que uma rotina. Um belo dia, o mendigo o chamou e perguntou alguma coisa. Quando o Nilton ia saindo o sujeito agradeceu e disse: “Obrigado Antônio(2), obrigado...”. O Ramalho parou, cofiou a barba e retrucou: “...Mas, meu nome é Nilton...”. Ao que o Antônio repondeu: “Ué... você não me chama de xará?”
 

1  As ilustrações do Ramalho são tão boas que havia clientes que só aceitavam story-boards marcados por ele.
  
2  Não sei se o nome do mendigo era Antônio. Coloquei aqui apenas a título de, sem trocadilhos, mera ilustração.

Clique e amplie

3 comentários:

Anita disse...

Já havia lido. É muito bom!

Cantídio disse...

O melhor de tudo isso é que o Ramalho é assim mesmo. Um sujeito alegre que levanta qualquer astral!

Saulo Silveira disse...

:D Era de facto uma alegria, o que me surpreendia era forma de rir das próprias piadas, mas ele sempre também
levava bolos para os ex-colegas na L&M...um coração enorme. Saudade destes tempos.