quarta-feira, agosto 14, 2013

Quem conhece recomenda... E o “espírito da coisa”


Atlantis era uma empacotadora e distribuidora de centenas de produtos asiáticos, e queria lançar antenas parabólicas, em Portugal, coisa que estava na moda naquele país, no início dos anos 1990.
Quando a Opal Publicidade assumiu um compromisso com o cliente dele aumentar suas vendas, pensamos numa estratégia para diferenciar as parabólicas Atlantis das demais, absolutamente iguais e da mesma procedência.
E a estratégia era a de, insinuando um japonês indicando o produto, torna-las antenas mais avançadas, pelo fato de o Japão, principalmente naqueles tempos,  ser mesmo muito melhor do que as Coreias, Taiwans e Hong-Kongs da vida.
A partir deste raciocínio surgiu o slogan: “Quem conhece, recomenda”. Reproduzo aqui o anúncio de lançamento com base nesse conceito e algumas cenas do primeiro comercial para as parabólicas, porque, infelizmente não tenho o filme. Sei que a duras penas e dezenas de testes da produtora, conseguimos um “japa” em Lisboa que tinha aquele sotaque típico e sugerimos que o filme tivesse os letreiros em japonês, o que ficou muito fixe(1).

Bem, o filme das parabólicas foi um sucesso, o que resultou em vendas. E, claro, o cliente ficou muito satisfeito. O que fê-lo nos procurar pouquíssimo tempo depois.
Desta vez ele queria fazer um filme vendendo mais produtos, tais como rádios, torradeiras e aspiradores de pó. Criamos, o Orlando e eu, um comercial explorando o “japa” nas mais variadas situações. E, neste particular, nosso garoto-propaganda  possuía uma verve de comediante, conseguindo ser bastante desconjuntado e engraçado...
Ainda me lembro que cheguei em Lisboa para a filmagem e estava um frio dos diabos. E o estúdio alugado pela AMA, a produtora era longe do centro, coisa que não acontecera no filme das parabólicas.  No entanto, numa noite, após as filmagens, saboreei o que classifico como o melhor bacalhau em meus três anos por terras lusas. Foi num restaurante em um largo, ao pé do Castelo de São Jorge.

Mas, resumo a ópera, o filme foi ao ar, e, parece ter vendido bem... O fato, melhor dizendo o facto é que o Mário (era o nome do cliente) chamau o Atendimento para um novo briefing.
Desta feita a reunião foi na casa dele. Ainda lembro do contato brasileiro a nos descrever o patético jantar do Mário, devorando um frango assado e lamber os dedos no melhor estilo D. João VI, e, falando de boca cheia refutar a sua colocação de que o japonês poderia estar a fazer algo como...”, dizendo que a agência não tinha ideias diferentes, que este negócio de japonês era a lei do menor esforço, que já era tempo de mudar. E de nada adiantaram os argumentos do nosso colega sobre a construção de uma marca através de um personagem, citando, inclusive o caso do Carlos Moreno, o famoso garoto Bom-Bril...

O filme seguinte foi um garotinho, louro, fazendo um joguinho daqueles, que tambem à época, eram uma verdadeira coqueluche. O Mário não havia assimilado o “espírito da coisa”!


1. Fixe em Portugal significa massa, legal, bacana, etc...


6 comentários:

Cantídio disse...

É o tal caso: ninguém é portugues impunemente rs

Nun'Alvares disse...

Apesar de mais novo do que ti, lembro-me desta campanha. E vou acrescentar que este japonês possuia uma inegável veia de comicidade.
Certamente que tu e a equipa desta agencia (Opal) realizou um excelente trabalho de comunicação.
Mas que este Sr. Mário não assimilou e nem sequer registou.

Anita disse...

O título diz tudo mesmo! O "gajo" não pegou o espírito da coisa kkkkkkk !

Anônimo disse...

Ah esses portugueses! Nao da pra confiar, nao e mesmo?

Anonymous
New York

Anônimo disse...

"A idéia está aprovada, mas tira o macaco" foi uma puta dum anúncio criado pels Salles para o cliente Salles, mesmo..... e mostrava o King Kong no alto do Empire State, naquela cena famosa.... como que mostrando o óbvio, ou seja, o que qui seria daquela cena sem o famoso gorilão.
O tal portuga tirou o japa. É o tal caso, cada macaco no seu galho.

Tavim

Ernani disse...

Não tem jeito, o pau que nasce torto, num tem jeito morre torto