domingo, dezembro 07, 2014

“Casos” escabrosos de Narciso Porpeta (1)


Fábio Veiled, diz que conheceu muita gente nesses tantos e tantos anos de janela. Segundo ele, gente boa e gente que não presta. Afinal, tem de tudo neste mundo. Mas, na sua opinião, a pior espécie é o enganador. Aquele cara que é um tremendo mau-caráter, mas finge ser “bonzinho”. O maior que ele conheceu, foi um tal de Narciso Porpeta. Esse sujeito o passou para trás por diversas vezes. Não por falta de alertas. Alguns amigos lhe diziam: “Cara, cuidado com o Narciso! Esse sujeito não presta... etc, etc”. Um deles, em certa ocasião, ia fazer um frila com ele, e quando soube que o Narciso estava organizando o trabalho exclamou indignado: “Com o Porpeta? ... Tô fora, meu!”

Ele me contou que Narciso aplicou o maior trambique que ele levou em toda a vida. Foi numa campanha que o Porpeta faturou, não disse que havia recebido e nem sequer ensaiou lhe pagar. Fábio suou a camisa durante noites, madrugadas e fins de semana. Além disso, gastou dinheiro com cartuchos de impressão, glossy paper, cd’s, e por aí afora. O infeliz confessou-lhe recentemente numa reunião de trabalho que havia recebido, após algumas garrafas de vinho (porque além de tudo é do tipo que bebe em serviço). Alegou que na época, estando em situação difícil, e, não podia lhe pagar. Fábio jura que deu vontade de mandar o sujeito pra qualquer lugar, mas engoliu o sapo porque estava dependendo dele para receber um outro frila em andamento. Começou a entender que, pelo caráter de Narciso, caso dissesse qualquer palavra mais áspera, este teria o (esperado) pretexto para não lhe pagar novamente. Coisas da vida!

Mas Fábio Veiled me contou um “casinho à toa” – segundo suas próprias palavras – que aconteceu com o “desgraçado”, que o deixou “puto da vida”. Porpeta marcou uma reunião na sua casa às oito e meia da manhã de uma quarta-feira. Tudo bem, Fábio chegou lá tipo oito e vinte. O encontrou na porta do elevador, e, não sabe por que cargas dágua, ainda chegou a pensar que Narciso teria descido para lhe rececepcionar. O “filho da mãe” olhou para ele entre o sonolento e o apressado e lhe disse friamente: “Oi Fábio, estou saindo agora pro aeroporto... tenho uma reunião em São Paulo!”. Fábio ficou a fita-lo, e, engolindo em seco, respondeu: “Mas... Narciso, você marcou uma reunião comigo aqui... hoje às oito e trinta, tá lembrado?” Contou-me Veiled que Narciso ‘cagou’ pro lance. O gajo, simplesmente havia esquecido, e o mais grave, havia esquecido sequer de lhe avisar. Concluiu que “foi muita falta de consideração, mas Narciso, como diz o nome, só enxerga o próprio umbigo.” (sic).

5 comentários:

Cantidio disse...

Quem será a peça?
Dificil saber porque este mercado publicitário está cheio de gente como ele!

Anita disse...

Eu acho que sei quem é.
É famoso por essas atitudes.
E o pior de tudo é que se acha melhor do que é e já não engana mais ninguem.
Um grande filho da puta!

Anônimo disse...

Caramba, esse "cara" deve ser um tremendo dum mau-caráter! E todo mundo conhece..... RSSSSS

Tavim

Anônimo disse...

Acabo de chegar a agencia e fiquei chocado com o 'caso' deste tal de 'Narciso Porpeta'.
Nao sei quem é, mas deve ser uma alma muito escrota. Ufaaaaa!
E pelo jeito e o primeiro. Aguardemos os proximos.

Anonymous
New Tork

Glaucia disse...

Eu sei quem é! Eu sei quem é! Eu sei quem é! Eu sei quem é!